Omeleta da Jú! rs...



Tô sempre escrevendo sobre os afetos da comidinha que nos remete a esse ou aquele dengo dengo que recebemos de alguém querido um dia nessa vida, ... Mas hoje vou pular essa parte e ir direto a gula...rs... Melhor seria dizer a Santa Gula (parece nome de algum restaurante, né? Alguém certamente já pensou nisso!). A gula santa de hoje, livre de todo pecado pelo mantra sagrado do huuuummmnnn...rs é sobre uma grata surpresa. Dessas que acontecem quando a gente pensa que está fazendo uma comida e acontece outra! Sabe como é?
Tenho uma Juliana que é a pesquisadora culinária dedicada (“obsessiva”) a compartilhar a alegria da boa mesa viva (“gula”) com os meus leitores, alunos e amigos. Na semana passada, essa Juliana passou um bom tempo experimentando novas receitas de Crackers e degustando com os amigos e a família. O seu objetivo era encantar a platéia no Workshop de Pães de Linhaça Germinada, que aconteceria na casa da sua querida professora de Yoga, a Fátima, em Itacoatiara.
Pois é, para todas as Julianas que vivo, workshops são assim, tipo peça de teatro, tem produção, texto, contexto, ensaio, frio na barriga, nervozinho com atraso e tudo mais...rs Sim, o tempo passa e a emoção continua. Até que chega a hora que tudo flui e todos saem felizes com a comida boa. Mas para que isso aconteça nessa ordem ensaiar receitas e improvisos é fundamental! Meu companheiro diz que sou muito exigente, devo ser..., mas aprendi com minha orientadora de pesquisa de Culinária Viva que quando dizem "exigente" as pessoas na verdade estão nos elogiando...rs...rs...
Pois é, então durante seu momento criativo, enquanto praticava (freneticamente), a Juliana obsessiva e exigente, buscava encontrar entre as variadas receitas de pão de linhaça germinada desidratado, 3 receitas super especiais que seriam as “Top 3 do curso”. Bem, estou te contando tudo isso pra descrever o contexto que nasceu a maior surpresa de todos os crackers... A OMELETA DA JÚ. É,... de fato não é um cracker... Nem poderia. Porque se fosse não seria uma surpresa, seria apenas mais uma receita das “TOP 3” demonstrada no curso...rs, certo?
Bem, chega de contexto, vamos ao texto, ou melhor, a receita! A idéia é assim: a base da receita é a mesma que você pode usar para fazer o seu cracker de linhaça com tomate seco, o segredo para OMELETA DA JÚ dar certo, (ou para o cracker de tomate seco dar errado) é colocar cubos de tomate de um centímetro (cada lado). Assim cubinho graúdos! O que acontece? Eles são tão molhadinhos que atrasam o processo de desidratação dando um aspecto de “Omelete de Forno”. Mas como não é isso, apenas parece com isso, escolhi chamar carinhosamente de Omeleta da Jú!
Engraçado é que tudo começou porque adorei o cracker de tomate seco, entre outros maravilhosos que nasceram nesses testes, mas na hora da aula de demonstração piquei o tomate um pouco maior do que no ensaio, trouxe a massa pra desidratar em casa e descobri que com 24 horas (12 pra cada lado) desidratando a 38° eles ficam sequinhos por fora e bem molhadinhos por dentro. E é assim que eu ADOOOORO!!! Com 36 horas desidratando, eles continuam sequinhos por fora e molhadinhos por dentro! E continua linda, como deve ser uma Omeleta desidratada, que não é pão, nem cracker e muito menos omelete... rs... Graças a Deus.

Com vocês a receita do Pão de Linhaça Dourada Germinada:...rs