Omeleta da Jú! rs...



Tô sempre escrevendo sobre os afetos da comidinha que nos remete a esse ou aquele dengo dengo que recebemos de alguém querido um dia nessa vida, ... Mas hoje vou pular essa parte e ir direto a gula...rs... Melhor seria dizer a Santa Gula (parece nome de algum restaurante, né? Alguém certamente já pensou nisso!). A gula santa de hoje, livre de todo pecado pelo mantra sagrado do huuuummmnnn...rs é sobre uma grata surpresa. Dessas que acontecem quando a gente pensa que está fazendo uma comida e acontece outra! Sabe como é?
Tenho uma Juliana que é a pesquisadora culinária dedicada (“obsessiva”) a compartilhar a alegria da boa mesa viva (“gula”) com os meus leitores, alunos e amigos. Na semana passada, essa Juliana passou um bom tempo experimentando novas receitas de Crackers e degustando com os amigos e a família. O seu objetivo era encantar a platéia no Workshop de Pães de Linhaça Germinada, que aconteceria na casa da sua querida professora de Yoga, a Fátima, em Itacoatiara.
Pois é, para todas as Julianas que vivo, workshops são assim, tipo peça de teatro, tem produção, texto, contexto, ensaio, frio na barriga, nervozinho com atraso e tudo mais...rs Sim, o tempo passa e a emoção continua. Até que chega a hora que tudo flui e todos saem felizes com a comida boa. Mas para que isso aconteça nessa ordem ensaiar receitas e improvisos é fundamental! Meu companheiro diz que sou muito exigente, devo ser..., mas aprendi com minha orientadora de pesquisa de Culinária Viva que quando dizem "exigente" as pessoas na verdade estão nos elogiando...rs...rs...
Pois é, então durante seu momento criativo, enquanto praticava (freneticamente), a Juliana obsessiva e exigente, buscava encontrar entre as variadas receitas de pão de linhaça germinada desidratado, 3 receitas super especiais que seriam as “Top 3 do curso”. Bem, estou te contando tudo isso pra descrever o contexto que nasceu a maior surpresa de todos os crackers... A OMELETA DA JÚ. É,... de fato não é um cracker... Nem poderia. Porque se fosse não seria uma surpresa, seria apenas mais uma receita das “TOP 3” demonstrada no curso...rs, certo?
Bem, chega de contexto, vamos ao texto, ou melhor, a receita! A idéia é assim: a base da receita é a mesma que você pode usar para fazer o seu cracker de linhaça com tomate seco, o segredo para OMELETA DA JÚ dar certo, (ou para o cracker de tomate seco dar errado) é colocar cubos de tomate de um centímetro (cada lado). Assim cubinho graúdos! O que acontece? Eles são tão molhadinhos que atrasam o processo de desidratação dando um aspecto de “Omelete de Forno”. Mas como não é isso, apenas parece com isso, escolhi chamar carinhosamente de Omeleta da Jú!
Engraçado é que tudo começou porque adorei o cracker de tomate seco, entre outros maravilhosos que nasceram nesses testes, mas na hora da aula de demonstração piquei o tomate um pouco maior do que no ensaio, trouxe a massa pra desidratar em casa e descobri que com 24 horas (12 pra cada lado) desidratando a 38° eles ficam sequinhos por fora e bem molhadinhos por dentro. E é assim que eu ADOOOORO!!! Com 36 horas desidratando, eles continuam sequinhos por fora e molhadinhos por dentro! E continua linda, como deve ser uma Omeleta desidratada, que não é pão, nem cracker e muito menos omelete... rs... Graças a Deus.

Com vocês a receita do Pão de Linhaça Dourada Germinada:...rs

O Pão de Linhaça Dourada Germinada Desidratado!



PÃO DE LINHAÇA DOURADA GERMINADA – MASSA BÁSICA

Ingredientes:
1 xícara de linhaça dourada germinada
1/2 abobrinha verde média
1 colher de sopa de cheiro verde picadinho
1 cebola em fatiada fininho
1 colher de chá de sal rassa

Preparo:
Germine as sementes de linhaça deixando de molho por 8 a 12 horas, depois espalhe numa peneira reta e deixe escorrer o liquido viscoso. Lave pela manhã e anoite. Deixe escorrer a água da lavagem, use uma colher mexendo em círculos para ajudar. Pique a abobrinha, tire o talo grosso. Liquidifique a abobrinha picada, a linhaça germinada e o sal até obter uma massa consistente. Espalhe a massa no teflex (plástico liso utilizado no desidratador) com uma espátula ou faca grande, de maneira uniforme fazendo uma camada de 0,5 cm.  Desidrate por 9 horas à temperatura de 42°. Depois desse período vire a massa para tela furadinha, descolando delicadamente a massa do teflex como um “contact”. Se precisar, nas partes ainda moles ajude a soltar a massa com uma faça grande de corte liso.

Sirva:  como base para sanduíches, samossa e canapés, além de acompanhamento para sopas e todas as outras possibilidade de um pão convencional.

Com a mesma receita base podemos variar com simplicidade 2 diferentes sabores:
  • Tomate Seco: acrescente 1 tomate fresco picadinho à receita e liquidifique.
  • Cenoura: acrescente uma cenoura a receita e liquidifique.

Rendimento: 1 bandeja de teflex.

De volta ao blog!


Querid@ amig@, estou voltando ao nosso blog, que está temperadinho com todas as receitas e informações do site. Estou refazendo os links e arrumando detalhes aqui e ali, em breve tudo estará bem mais fácil de localizar. Gratidão por me acompanhar!

Pizza Viva!

Linda, Saborosa e Viva!
Ingredientes: Trigo germinado, Nozes Germinadas, Amendoas Germinadas, Tomate, Mangericão Orgânico, Alho, Sal, Azeite Extra Virgem, vitalidade e muita alegria!
Afinal foi preparada em uma das nossas aulinhas!
Cris, gratidão por sua linda caminhada viva!

Cocadinha Mole de Chocolate

Receita Viva de Cocodinha Mole de Chocolate

Ingredientes
1 ½ xíc. de amêndoas germinadas
½ coco seco germinado
¾ de xíc. de cacau desidratado em pó
3 colheres de óleo de coco extra virgem
¾ de xícara de mel

Germine
• As amêndoas deixando de molho por 24 hs.
• O coco seco deixando de molho de 15 a 25 dias, trocando a água diariamente até observar o narizinho branco. Eventualmente encontramos o coco seco já germinado para comprar. Nesse caso deixe de molho por 24 hs.

Preparo
Descasque as sementes de amêndoas germinadas. Elas são bem grandes então descasque uma a uma. Descarte as cascas e sementes com pontos pretos ou sabor alterado (desagradável, diferente da maioria). Processe as amêndoas no liquidificador com ajuda de uma cenoura (que não deve tocar a hélice) até formar uma pasta homogênea.
Quebre o coco, por exemplo, colocando numa sacola plástica e batendo contra uma pedra ou superfície bem resistente. Também vale usar o bom e velho martelo da caixa de ferramentas, dando leves marteladas você também quebra o bichinho.
Cheire, observe para ver se o coco está bom, ou seja, livre de cheio de azedo. Retire a carne do coco que é aderida a casca. Faça isso com ajuda de uma faca pequena. Retire a parte escura. Liquidifique com água filtrada (para o caso de querer aproveitar o leite do coco em outra receita) e coe num pano ou num coador de voal até sair todo o líquido. Reserve metade do coco raladinho para o seu doce ou simplesmente só liquidifique ½ coco.
O cacau desidratado é a semente da fruta Cacau mesmo. Caso você tenha acesso a fruta remova a pele, coloque as sementes no sol para desidratar e quando estiverem bem sequinhas processe no liquidificador até virar um pó fino, como o cacau em pó mesmo. Caso não tenha acesso a fruta vale comprar o cacau granulado (www.planetacacau.com.br), processe no liquidificador até virar cacau em pó.
No liquidificador misture a pasta de amêndoas, o cacau, mel e o óleo de coco extra virgem até fica bem homogêneo. Retire esse creme do liquificador e acrescente o coco germinado “raladinho” misturando com ajuda de um garfo.
Sirva num pratinho para ser comido de colherinha, ou numa folha de bananeira cortada em quadradinhos como um guardanapo natural ou em forminhas como docinho de festa.

Bem quem avisa amigo é!
A voz da experiência ensina que esse alimento é altamente energético mesmo! :O)
Portanto consuma com moderação! Hehehe....
Não estranhe se tiver uma vontade incomum de movimentar o corpo, pedalar, correr, arrumar ou mesmo mais disposição para o trabalho com melhora na concentração e agilidade de raciocínio! ... entre outras cocitas más!

MUITA ENERGIA e BOM FIM DE SEMANA!

Com gratidão ao meu Zé pela receita original gringa de prestígio e a minha pupila querida Cris por seu encantamento pela vida com Alimento Vivo que alimentam com alegria nossas oficinas semanais!

Fotos:
docinho: internet
coco germinado: culinariaviva.com

Dia Mundial da Comida Crua

Você poderia imaginar que crudívoros tem o seu próprio dia?
Comemore também!
Serão milhares de adeptos do crudivorismo no mundo compartilhando sua paixão pela Alimentação Viva e crua!
Te convido para fazer parte desse movimento de vida!
Compartilhe vitalidade, sabor e saúde com muita alegria!

Visite o site oficial: www.worldrawfoodday.org



Torta Viva!

Essa eu fiz para minha querida mestra de Yoga Fátima!
Além de linda, ficou deliciosa! :O) ... Claro... rsrsrs

A pedidos a receitinha:

Torta Shunya

Ingredientes:
2 xícaras de girassol descascado germinado
1 xícara de tâmaras
6 bananas
1 mamão pequeno
4 morangos
Raspinhas de limão
Canela em pó sem açúcar

Preparo:
Germine: deixe o girassol descascado de molho por 8 horas a 12 horas. Enxágüe com água pura e escorra toda a água na hora de usar.

Massa: Pique as tâmaras, leve ao liquidificamor junto com o girassol descascado germinado. Use uma cenoura como biossocador para ajudar a processar. Aperte os ingredientes contra a hélice. A cenoura não deve tocar a hélice. Com o tempo você pega o jeito! Rs... Faça isso até ganhar uma consistência homogênea. Pronto!

Base: molde a massa inspirando-se na imagem de uma torta aberta. Assim: Aglomere a massa no meio do prato e vá esticando até fazer a borda de mais ou menos 1 cm (ou menos) e uns 4 cm de altura. Vale lamber os dedinho rs... E pronto! Agora vamos para o recheio!

Recheio: Corte o mamão, sem casca, em fatias de 3 a 4 mm aproximadamente. Forre todo o fundo da torta, faça duas ou mais camada. Preencha com creme de banana. Mas só liquidifique a banana na hora de preencher o recheio, ou ela fica durinha tal qual pudim. Para o creme, liquidifique a banana com canela a gosto (sem exageros! Vá provando). Pronto! Agora despeje o creme sobre o mamão de forma homogênea! E pronto! Vamos decorar!

Decoração: corte morangos em fatias de 2 a 3 mm. Polvilhe raspinhas de limão e canela. E se desejar dar um brilho caramelado no morango, cubra com mel ou agave cru!

Dicas de beleza: Limpe as bordinha do prato com um paninho úmido, alise a massa com os dedinhos úmidos de água! Sempre que possível valorize a louça simples, branca, transparente ou lisa. A beleza da comida está nas corres e na vida dos alimentos! :O)

Valor Ecológico: O estimulo ao consumo de alimentos livres de produtos lácteos reduz a demanda da industria de animais “de leite”, fonte significativa de emissão de gases nocivos a camada de ozônio que favorecem o aquecimento global.

Visite o nosso glossário

Boa semana com sabor, saber e saúde!

Com carinho vivo da Jú

Sementes de Abóbora Germinada JAMAIS!

Quando o assunto é GERMINAR SEMENTES é importante termos alguns cuidados. E o primeiro deles é saber quais são as sementes que são comestíveis através do processo de germinação e brotação. Para nos orientar temos uma tabela organizada pelo Terrapia/Ensp/Fiocruz, que está disponível para baixar gratuitamente no culinariaviva.com. Recomendo aos que tem interesse na boa prática da Alimentação Viva que tenham a tabela colada na sua cozinha e que a consultem sempre que decidir germinar uma nova semente.

Você lembra daquela frase “a diferença entre o remédio e o veneno é a dose”? Então, agora vamos ao caso concreto: SEMENTES DE ABÓBORA NÃO DEVEM SER COMIDAS GERMINADAS!

No processo de germinação alguns elementos são potencializados nas sementes, o que é bom pelo aspecto nutricional. A semente de abóbora é popularmente conhecida por suas propriedades vermifogas e, por isso mesmo, existe um entendimento de que consumir essa semente germinadas pode ser FATAL mesmo para adultos. Sintomas como muita dor de cabeça, extremo mal estar, enjôo, vômito,... entre outros muito desagradavéis são descritos por pessoas que fizeram essa não recomendada experiência.

Se o propósito for ver essas lindas sementes crescendo, lembre que elas podem ser plantadas no quintal ou num terreno baldio onde cresçam livremente, não são muito exigentes, com um pouco ou quase nada de cuidado, pode ser que você colha alguma abóbora e faça um maravilhoso Quibeibe da Dinda! Mas sempre vai poder colher as folhas e usar no Suco de Clorofila Brasileiro. Atenção: NÃO é recomendado o uso das sementes de abóbora no suco de clorofila, mesmo cruas, sem germinar. Se a idéia é comer as sementes de abóbora, elas podem ser comidas cruas, frescas ou secas ao sol. Puras ou com um bocadinho de sal ficam muito interessantes como beliscos ou aperitivos. Fazer uma farinha e acrescentar na comida dos humanos ou dos cachorros é interessante como um vermifogo natural.

Germine com juizinho, viu?
Juliana Malhardes
Educadora em Alimentação Viva

Escolhas Conscientes

“Cada decisão que tomamos e cada mudança que ocorre em nossa percepção podem alterar o curso do nosso caminho pela vida, trazendo novas experiências ou horizontes mais largos. Cada vez que alteramos nossas prioridades, mudamos o caminho. Cada vez que nos permitimos usar a imaginação, mudamos nossa visão da realidade. Cada vez que decidimos mudar de direção, desenhamos e redesenhamos nossos estilos de vida, hábitos, prioridades, necessidades e objetivos”. Texto do livro Dançando o Sonho - Os 7 caminhos Sagrados da Transformação Humana, de Jamie Sams.

Muitos de nós passam a vida sem ver alguma conexão entre si mesmo e todas as formas de vida existentes a sua volta. As nossas escolhas cotidianas mais simples podem fazer toda a diferença para os trilhões de microorganismos que sustentam a vida no nosso ecossistema corporal. Para cada escolha consciente uma nota singular na teia da vida é tocada.

Foto da Internet

Unidade e singularidade

Onde estão as danças da Unidade
que eu conhecia antes de nascer?
Será que abri não da minha totalidade,
para poder caminhar pela Terra?

Será que escolhi o esquecimento
para tornar a vida mais real?

Será que habitei um corpo humano
para que pudesse aprender a sentir?

Estou aqui para dançar este sonho
em minha sagrada forma humana.
Para celebrar minha singularidade
e não pedir a ninguém que me siga.

Dançando as lições da vida,
aprenderei a me movimentar com graça,
enquanto sonho que me recordo
do potencial da raça humana.

Jamie Sams - Dançando o Sonho - Os sete caminhos sagrados da transformação humana.
Foto da Internet

Compostagem doméstica

Compostagem doméstica é a prática de criar terra em casa a partir dos restos alimentares crus. Fechamos o ciclo devolvendo para Terra o que colhemos. Reduzimos o volume de lixo gerado para coleta pública e lixões da cidade. E de presente recebemos uma terra de boa qualidade para cultivar nossos brotos, adubar nossas plantinhas e hortinhas de temperos.
Ouvi da Cristina, participante das nossas oficinas, um depoimento muito especial e venho compartilhar com você! Ao longo de 4 meses de oficinas semanais de Educação Ambiental através da Alimentação Viva ela vem fortalecendo o hábito da compostagem doméstica.

Moradora de uma área distante da rota da coleta pública, ela transporta rotineiramente o lixo gerado na casa para um lugar adequado no bairro, o que permitiu constatar a redução de 70% do volume de lixo produzido pela família.

Escolheram adotar várias técnicas de compostagem ao mesmo tempo, desde a lata fechada até a compostagem aberta de quintal para onde vão todas as sobras de alimentos crus da cozinha.

A redução se deve também a diminuição do consumo de alimentos processados e suas embalagens. Resultado do processo de mudança alimentar da família. Conta ela que houve uma leve introdução de saladas na dieta do seu marido, uma adesão de 50% de alimento vivo pelo filho adolescente e da adesão da dieta Viva (100%) pela Cristina.

Animados com os resultados, mãe e filho passaram a cuidar ainda mais do lixo seco, dedicando mais atenção para o re-aproveitamento de materiais nos trabalhos da escola e no dia a dia!

Adoro essas notícias verdes vivas, e vc?

Condusa sua CRUzinha com presença! rs...

Olá Amig@,
bom fim de semana e um brinde vivo a BELEZA da VIDA!
É tô de luva! Vê se pode!!! É o resultado de um pequenino "acidente" de trabalho, coisa da rotina na CRUZINHA,...rs Bem que exagerei um bocadinho dessa vez, brincando de cruzinhar com uma faca nova, muito amolada que ganhei de aniversário! E pra festa não parar teve que rolar uma luva de procedimento!
Querid@, a Culinária Viva é uma meditação ativa, só que as suas lições da importância de estarmos presentes, no AQUI E AGORA podem deixar uns dodóizinhos bem chatinhos... rs
Moral da história:
Condusa sua faquinha com juizinho! Aproveite a oportunidade do momento do preparo do alimento para meditar com os vegetais, curtir seus detalhes, formas, cores, aromas, saberes e sabores. rs... Com alegria e muito bom humor! Todo dia! Porque a vida se alimenta da Beleza do Presente e ela só melhora! TODO DIA! Não tem jeito!
Gratidão da Ju por vc estar aqui, viu?

Regeneração da Terra

Hoje pela manhã, por acaso, assistíamos o Globo Rural, preparando o suco de clorofila com sementes germinadas do desjejum. Curiosamente o tema era iniciativas de regeneração das nascentes do Rio Xingu. Fruto do tempo em que o governo incentivava o desmatamento para o crescimento das lavouras, as florestas devastadas resultaram no assoreamento das nascentes e na contaminação das águas. Hoje em dia o desmatamento irregular é passível de multa e interdição das terras e o mercado verde germina como ferramenta no cenário ambiental.
Os herdeiros da cultura da devastação resistem bravamente à gestão ambiental das suas propriedades, tendo como contraponto o movimento de proprietários que se organizam para viver a nova realidade legal, atenta a regeneração da Terra.

Link para o vídeo

Sanduiche Vivo!

Oficina na Casinha Viva.
Sandubinha que vira pizza e vira nachos.
Pão de centeio germinado, queijinho de amêndoas,
saladinha de brotos de girassol e tomatinhos.
Tudo temperado com muita vitalidade!
Um bom fim de semana para todos nós!

Amêndoas Germinadas

Amêndoa é uma semente muito especial. Você já percebeu que algumas sementes precisam de muito carinho e temperinhos para o sabor ficar mais interessante para o nosso paladar? Decididamente esse não é o caso da Amêndoa. Ela é uma semente de sabor suave, leve e agradável. Mesmo pura é saborosa e combina simplesmente com tudo. Quem aprecia a Amêndoa crua, vai se surpreender com o sabor da versão germinada.

COMPRANDO AMÊNDOA
Na hora de comprar a sementes de amêndoas, informe na loja que você deseja amêndoa crua. Dispense a salgada, ela não germina porque é tostada.

GERMINAÇÃO da AMÊNDOA
Algumas sementes germinam apenas dentro d'água e a Amêndoa é uma delas. O seu processo de germinação é bem simples:

1.Lave bem com água limpa.
2.Deixe de molho por 24hs à 48hs.
3.Troque a água uma vez por dia.

Nos dias frios as sementes levam mais tempo para germinar, nos dias quentes germina com menos tempo. Observe a pontinha branca que chamamos "narizinho" da semente, que é o sinal de que ela germinou.

TIRAR OU NÃO TIRAR A PELE, EIS A QUESTÃO
Tirar ou tirar a pele, eis a questão. Comer as sementes com pele não faz mal, mas o nosso objetivo é economizar energia do ecossistema corporal na digestão. As cascas são celulose que o corpo não aproveita. Nos praticantes do Crudivorismo e da Alimentação Viva, elas podem gerar fermentação e gases intestinais. Pelo sim pelo não, para comer na forma sólida recomendável que retire a pele dessas sementes. O sabor também é muito melhor. Experimente com e sem pele e faça a sua escolha. Nas receitas líquidas coadas podemos manter a pele pois ela fica retida no coador.

DICAS CULINÁRIAS
A Amêndoa é uma semente grande. Depois de germinada a pele solta com facilidade. Por isso é fácil descascar uma a uma.

1. Belisco: Simples e pura, salgadinha, é uma ótimo belisco.
2. Na Salada Verde: Vale só jogar na salada verde ou salada de frutas.
3. Misturadinha com a comidinha: do seu dia a dia também é muito bom, no meio do arroz e das frutas.
4. Temperada com ervas frescas e um pouquinho de azeite é tudo de bom.
5. Cremes de Frutas Liquidificada com frutas, faz cremes divinos, sugiro que comece pela manga, se possível dê preferencia a manga palmer. Nesse caso, sugiro que retire a pele.
6. O Leite Vivo de Amêndoas germinadas é o the best. Nesse caso não precisa descascar a sementes porque o leite é coado no voal. Liquidifique uma parte de sementes para 4 partes de água e coe no coador de voal. Puro é gostoso, mas pode ser ainda melhor se for adoçado com mel ou frutas secas, que podem ser liquidificadas junto com as sementes.
7. Café com Leite Vivo é uma forma saborosa de substituir os leites animais.
8. Cacau com Leite de Vivo de Amêndoas Germinadas, adoçaria com mel. Onde comprar Cacau Cru: www.planetacacau.com.br - já compramos aqui em casa, achei de boa qualidade, com preço justo e entrega rápida).
9. Vitamina Viva de Leite de Amêndoas Germinadas combinadas com frutas frescas como Abacate, Manga Palmer ou Banana é de beber ajoelhado, rezando. rsrs...
10. Iogurtes Vivos, Queijinhos Vivos e Massas de Torta Doce, são algumas da possibilidades saborosas possíveis de serem feitas com essa sementes tão especial.

Espero ter inspirado uma semana germinada para você e sua família!
Com carinho,
Ju
Foto: Caio Rodrigues. Fonte: Site do Terrapia

Aquecendo o corpo com Alimento Vivo

Hoje vim conversar com você sobre “Como aquecer o corpo com Alimento Vivo nos dias frios”. Tenho ouvido com freqüência pessoas expressando sua dificuldade em manter o projeto de “Florestamento Interno com Alimento Vivo” nos dias frios.
Ontem recebi um email com essa dúvida e decidi então que era preciso escrever e compartilhar aqui idéias sobre como olhamos o alimento e algumas dicas práticas que nos inspiram a manter os Germinados e os Brotos vitalizando os rios do nosso ecossistema corporal durante todos os dias do ano. Beleza? Então vamos lá!

Como aprendemos a comer em dias frios?
Quem nos alimentou desde a mais tenra idade, com todo o seu amor e dedicação, nos ensinou que o que mantém a vida no corpo são os alimentos que passam pelo fogo, bem quentes e cozidinhos. E fizeram isso muito direitinho, nos dando as comidinhas temperadas com amor e muito carinho. Esse contexto afetivo ao qual uma comida nos remete é chamado de memória afetiva. Nessa visão o alimento é mais que o alimento, ele nos remete a pessoas, lugares e a um lugar interno de acolhimento. Por exemplo, quando comemos a comidinha da vovó ou algo que se assemelha com ela, nos remetemos a um tempo, um cheiro, uma casa, um carinho e tudo mais. A comida nos faz acessar aquela memória. Algumas pessoas afirmam que esse amor que é transmitido através do alimento é o fomentador da vida no ecossistema corporal. Uma visão de muita profundidade, nada que nos ensinem na escola ainda.

Amornando com Amor
Assim aprendemos que a primeira forma de aquecer o corpo com o alimento vivo é criar novas memórias afetivas, ou seja, criar situações sociais, encontros onde o alimento vivo seja compartilhado de uma forma amorosa e feliz. Assim no inverno do tempo ou da alma, podemos acessar esse amor e esses afetos através das comidas que escolhemos preparar naqueles momentos. Se fizermos esse “dever de casa”, teremos certamente um inverno mais quentinho no ano seguinte. E não estou me referindo ao aquecimento global, mas sim ao fato de que teremos boas recordações para reviver no próximo ano. Ao logo dos anos de prática de Alimentação Viva, acumulamos memórias alimentares, que além de saborosas e afetivas, nos fazem sentir bem estar físico, resultado da revitalização do ecossistema corporal e gradativamente o nosso cardápio se torna mais biodiverso e saboroso, o que faz com que o dia a dia com alimento vivo se torne uma pratica muito simples e cotiana para qualquer pessoa.

E aprendemos a lição
Como seres amorosos que somos, aprendemos a lição dos afetos com naturalidade ao longo da vida. Aprendemos que essa ou aquela comida são as comidinhas de inverno e quase nem damos conta de pensar muito em saladas, sucos e frutas, não é mesmo? Queremos mesmo é algo bem quentinho que nos aqueça o corpo e a alma! Da alma já falamos. Agora vamos aquecer o alimento propriamente dito. Para isso vale lembrar que dentro do contexto da comida convencional, quando pensamos em comida viva ou crua, nos remetemos a legumes crus e frutas. Daí a idéia de um cardápio fica resumida a saladas e sucos. Mas não é de tomate e cenoura ralada que vivem os praticantes da Alimentação Viva. Hoje a Culinária Viva Brasileira apresenta uma grande variedade de afetos culinários de inverno como risotos, sopinhas, cremes, chocolates quentes, mingaus, letinhos,... Estamos salvos!

Como pensamos em aquecer um alimento?
Desde sempre a regra foi colocar o alimento no fogo, aquecer a altas temperaturas e comer quase que queimando a língua, certo? Bem, não para quem está pretendendo reflorestar internamente. Alguns de nós descobriram que podemos aquecer o alimento de outras maneiras! Surge nesse caminho o entendimento de que os germinados aquecem energeticamente o corpo. E isso também é uma das coisas que não aprendemos na escola ainda. Um exemplo meio tosco do que estou falando pode ser experimentado quando “esquecemos” o gergelim ou o girassol germinando no escorredor de louça e ele passa do ponto de colheita, quando tocamos o vidro, sentimos o calor que eles geram. “Possa ser” que continue assim dentro de nós. Já pensou nisso?

A Culinária Viva
Com suas técnicas e temperos, a culinária a base de sementes germinadas, brotos e vegetais crus, também nos ensina a preparar e aquecer uma boa comidinha viva de inverno apresentando receitas e formas de comer que nos remetem a comidinha convencional, o que nos ajuda a criar a memória afetiva que nos alimenta. Os exemplos já sitei acima.

Amornando com Temperos
Alguns temperos aquecem o nosso corpo, a sua presença já nos faz sentir o peito mais quentinho depois de comermos. Melhor ainda se amornamos os alimentos. Os temperos quentes mais comuns no meu dia a dia são:
Canela
Gengibre
Pimentas
Curry
Curcuma

Obs.: Desde já agradeço se você tiver dicas e sugestões para tornar minha lista mais biodiversa! Peço que envie para culinariaviva@gmail.com

Amornando as louças:
Podemos colocar as canecas e pratos em água bem quente para que, uma vez aquecidos, não roubem o calor dos alimentos amornados. Mesmo o Suco de Clorofila com sementes germinadas em um caneca quentinha ganha sabor de inverno e aquece nosso coração.

Amornando os alimentos vivos:
Lembra daquela idéia de que o nosso corpo é um ecossistema vivo formado por rios e florestas habitadas por trilhões de microorganismos vivos? Então na hora de amornar a comida viva a nossa mão funciona como termômetro da vida no alimento. Quando a mão não suportar o calor, o alimento também perde vida. Vale recordar que amornar o alimento significa dar calor a comida viva sem tirar a sua vitalidade. A comida permanece crua, mas fica “morninha”. Em todos os casos vamos usar o fogo baixinho e manter a mão dentro da panela durante todo o processo. Mexemos o alimento para que o calor circule de maneira uniforme sem cozinhar nenhuma parte.
Combinar temperos que aquecem o corpo, numa comidinha amornadinha servida numa louça quentinha pode ser uma deliciosa experiencia saborosa! Divirta-se.

Receitas e Dicas bem simples para inspirar:

Leite de Girassol Germinado
Liquidifico sementes de girassol germinado, maçãs, gengibre, canela em pó sem açucar, gotinhas de limão e água, passo no coador de voal e amorno (ele e a caneca, dependendo do frio).
Vale substituir a semente por amendoim germinado, amêndoas germinadas ou nozes germinadas.

Sopinhas Vivas

Mingau de banana
Liquidifico bananas, nozes germinadas (de molho por 12 horas), canela e um pingo de água. Se precisar acrescento frutas secas como passas claras para adoçar. Se você não é vegano, mel também adoça o paladar. Amorne naquela panelinha que tem cara de fazer mingau, sirva e polvilhe canela. Divirta-se.

Temperando sementinhas:
Uma idéia bem simples é temperar as sementinhas que você sabe germinar com os temperos que escolher, vale incrementar com shoyo ou sal, temperos frescos ou desidratados, tomates frescos, legumes ralados e amornar. E podemos descobrir que aquela comidinhas que parecia uma salada virou um lindo amornadinho.

Brinque e refloreste-se. O ano inteiro.

Com carinho,
Juliana Malhardes

Pensamento Ecológico, uma nova visão


Nos últimos anos compartilhar reflexões sobre a Questão Ambiental vem se tornando algo cada vez mais cotidiano. Arriscaria dizer que sediar a Eco 92 foi bastante relevante para o despertar do olhar de nós brasileiros para o tema.

Mas como essas “reflexões” germinam normalmente na maioria de nós? Sem maiores rigores, podemos dizer que surge o pensamento da importância do cuidado com as florestas, a reciclagem dos objetos, a escassez da água, mais recentemente o chamado Aquecimento Global passou a estar em todas as conversas sobre Meio Ambiente e já concordamos que o cultivo orgânico dos alimentos é relevante para a saúde do planeta.

Gradativamente alguns de nós estão desaprendendo aquela velha apresentação da água, que nos bancos da escola se tratava de um recurso natural inesgotável, que simplesmente evaporava dos rios, mares, cachoeiras e lagos e depois caia do céu num ciclo infinito. Lembra disso?

Hoje em dia a mesma inocência não é emprestada as crianças nas escolas. A água é apresentada como um recurso escaço, cuja a conservação é uma questão vital para todos nós! O planeta que elas recebem, não é mais o mesmo que nós recebemos. E estamos falando de um lapso temporal de 20 anos. (Sem entrar no mérito da idade da autora do texto! rs...).

Mas até agora os grandes temas ainda são colocados numa forma de pensamento que nos separa da natureza. O Meio Ambiente, é algo externo a nós. E práticas, que são de suma importância, como coleta seletiva, controlar o fluxo de água da torneira, usar sacola retornável, trabalho voluntário e contribuir financeiramente para instituições, têm sido as possibilidades de prática encontradas por nós urbanos interessados em cultivar um planeta mais verde.

Era. Não é mais. Mais uma vez temos a oportunidade de vislumbrar o fenômeno da perda da inocência no nosso caminhar na Alfabetização Ecológica. Germina no mundo a visão ambiental que apresenta o homem e a natureza como um só ser num sentido mais profundo. Nessa visão somos formados por rios, lagos, florestas, cachoeiras, fauna, flora e uma mega biodiversidade com um número inimaginável de “espécies” (microorganismos) ainda não identificadas! Isso lhe parece familiar? Mas estou falando do corpo humano visto como um Ecossistema vivo, formado a imagem e semelhança da Terra (Teoria de Gaia). Na visão do cuidado apresentada pelo professor Leonardo Boff, somos Terra, que abraça, ama, sente e cuida. Numa visão ambientalista poética, os rios do planeta e suas águas são um só com as nossas veias e o sangue que mantém a vida no nosso corpo.

A partir daí podemos considerar que a saúde dos rios dos planeta e a do nosso sangue é uma só. Poluir o planeta e intoxicar o corpo são práticas que caminham juntas. A boa notícia é que despoluir e desintoxicar também! Agora chegamos numa compreensão mais prática daquela idéia de que a saúde do planeta e a do homem são uma só. O corpo é percebido como espaço de prática de contribuição para Preservação Ambiental através de novas possibilidades que vão além das que mencionei anteriormente. E encontramos o capítulo Hábitos de Vida Urbana Ecológica, aquela possível para a maioria de nós habitantes da urbi. Surgem conceitos como Auto Cuidado Ecológico, Práticas Naturais Desintoxicantes e Alimentação Viva na Promoção da Saúde e do Meio Ambiente, que nos estimulam a pesquisar e compartilhar uma infinidade de possibilidades de práticas cotidianas.

É interessante considerarmos que cada um de nós é titular vitalicio de um pequeno pedaço de planeta Terra, daí promover uma Evolução Ambiental pode ser algo muito mais simples do que imaginávamos. O que pode antecipar aquele projeto que só ia começar na aposentadoria, quando finalmente teremos tempo e um sítio num local de mato verde pra plantar e pra colher.

“Refloreste-se”, seria um bom jargão para expressar esse pensamento, oque vc acha?

Com carinho,
Juliana Malhardes
Educação Ambiental
jumalhardes@yahoo.com.br
(21)8349.6244
(21)3701.5705
É o preparo do Alimento que valoriza a Vitalidade, por isso é livre de cozimento e resfriamento. É baseada na germinação de sementes e no cultivo caseiro de brotos que são combinados com vegetais crus. É livre de refinados, derivados e industrializados.

A Culinária Viva Brasileira ensinada em nossos cursos é baseada nos pratos da culinária cotidiana. São sucos, pães, tortas doces, docinhos, além de farofas e vários outros tipos culinários.

É a base da Alimentação Viva, uma dieta altamente vitalizante e desintoxicante, que facilita a organização da vida no ecossistema corporal.

Vale dizer que é linda, colorida, saborosa e ecológica!
Promove o bem estar do corpo e a saúde do planeta.

Sopa de Girassol Germinado com Abóbora Moranga

Receitas do nosso encontro de sexta: Jantando Pão com Sopa!

Sopa de Girassol Germinado com Abóbora Moranga
Ingredientes:
2 xícaras de girassol germinado
300gr. de abóbora moranga com cascas sem sementes
1 colher de sopa de cebola
1 1/2 xícara de água
½ dente de alho
1 colher de sopa de missô claro
½ abacate maduro
3 cabelinhos da cebolinha verde

Germine o Girassol:
Colocando de molho em água limpa de 8 a 12 horas. Lave e depois deixe escorrer, pegando ar por mais 8 a 12 horas. Observe o narizinho. Só coma se mais de 80% estiver germinado.

Obs.:Também pode fazer com girassol descascado germinado de molho na água por 8 horas. Mas lembre de sempre que comprar um lote novo de sementes fazer o teste de germinação também! Só para testar fazemos assim: Pegamos um punhadinho e germinamos como o girassol com casca 8 a 12 horas na água e 8 a 12 horas no ar. Observamos o narizinho. Se mais 80% das sementes germinarem, o lote tá vivo! :O)

Preparo:
Liquidifique as sementes germinadas, a água, a cebola, o alho, o missô claro e cebolinha. Coe no voal. Lave o copo do liquidificador. Devolva o liquido coado para o liquidificador, acrescente o abacate e liquidifique novamente. Ajuste o sal, amorne e sirva com alegria!

Para acompanhar... Pão Essênio!

Foto: internet, mas muito similar a sopinha da receita! Podia ser ela! :O0

Pão Essênio de Trigo Germinado

Pão Essênio de Trigo Germinado!

Ingredientes:
1 ½ xícara de trigo germinado
Alecrim fresco picado micrinho
2 colheres de café de sal (ou a gosto)

Germine o Trigo:
Colocando de molho em água limpa de 8 a 12 horas. Lave e depois deixe escorrer, pegando ar por mais 8 a 12 horas. Observe o narizinho. Só coma se mais de 80% estiver germinado.

Preparo:
Na hora de preparar o pão as sementes devem estar bem sequinhas. De maneira que não devemos lava-la na hora de usar. Se estiverem úmidas, vale apertar num pano de prato. Daí coloque as sementes num processador pequeno, coloque as sementes germinadas e o sal. Processe até fazer uma massa homogênea. Aperte com as mãos para dar mais liga. Faça um rolinho, alisando contra uma superfície lisa e seca. Divida em pedaços iguais. Faça bolinhas. Estique com um rolo. Use uma faca para soltar do superfície. E vá esticando de um lado de outro para não colocar. Pronto! Um pãozinho tipo chapate ou árabe bem fresquinho e macio.

Dica:
se vc prefere um cracker ou se vai fazer alguma travessia que precise transportar o seu alimento sugiro que coloque no sol e deixe secar até a textura desejada. O tempo depende da intensidade do sol. Caso não tenha sol, forre um refratário ou tabuleiro com pano de prato. Acenda o forno em fogo mínimo. Deixe a porta aberta e controle o calor com as mãos para não cozinhar. De vez em sempre dê uma olhadinha pra ver se o calor está suportável. Pode levar algumas horas. Depende da textura desejada. Lembre-se de manter a porta aberta!

Temperando o pãozinho:
É sempre gostoso ter alternativas de possibilidades saborosas para a mesma receitinha. Temperar com cebola ralada, ou alho, ou temperinhos verde da sua preferência também vai bem.

Dando a liga:
sementes oleagenosas como amêndoas, girassol descascado e nozes ajudam a dar liga na massa.

Massa molhada:
Se fica peguenta a farinha de aipim desidratado é a nossa grande aliada! È sempre bom termos dela na cozinha.

Para molhar:
Quando estou com paladar bem simples, gosto de passar azeites com sal simplesmente.
Um tomatinho fresco fatiado com sal e azeite também é de comer de olhinhos fechados!
Mas as pastinhas de sementes germinadas são sempre bem vindas!
Com berinjela marinada temperada é sempre uma iguaria.

Divirta-se!

Com carinho,
Ju Malhardes
www.culinariaviva.com

Foto: Bufê de Juliana e Dolores.

Mexidinho Vivo com Cúrcuma

Ingredientes:
1 xícara de amendoim germinado
Cúrcuma até ficar amarelinho ovo
Cheiro Verde picadinho
Orégano
Sal a gosto
Azeite
Gotinhas de Limão

Germine:
O amendoim lavando e colocando de molho em água limpa de 8 a 12 horas.
Depois deixe escorrer, pegando ar por mais 8 a 12 horas. Observe o narizinho. Escolha os que não estiverem bons, ou seja, com pontinhos escuros. Só coma se mais de 80% estiver germinado.

Preparo:
Lave o amendoim novamente e retire a pele. Processe com sal e curcuma num processador até ficar "semi-processado", em pedacinhos pequenininhos. Acrescente os demais ingredientes e misture com uma colher.

Sirva:
Acompanhando uma salada ou no sanduíche. Ou como preferir.

Se for amornar:
Lembre de acrescentar o azeite e o limão na hora de servir!

Com carinho da Jú!

Vivo no Nova Terra Festival

Queridas sementes da minha hortinha!

O Terra Nova Festival foi uma grande celebração de um tempo novo, onde o ser simples, espontâneo, alegre, leve, belo e amoroso prevalece em todos nós. Esse encontro de gentes coloridas, de muitas tribos de vários cantos do planeta renova a esperança de novos tempos de paz e harmonia, aqui e agora na Terra! :O)

Foi mais que uma alegria preparar Comidas Vivas com o Terrapia nessa festa. De verdade, eu nunca havia preparado tanta comida quanto nesse fim de semana...rs Saímos todos exaustos,...rs mas muito fortalecidos...rsrs, porque TODA a comida viva produzida pelo grupo foi consumida com satisfação pelas gentes lindas que nos procuraram.

Gostaria de contar muitos detalhes, mas não dá, né? Então, quero compartilhar um sentimento muito especial! Fomos visitados pela Oficina de Educação Ambiental do Eco Contruindo, vistoriando nosso lixo para separar o orgânico e o seco! Foi indescritível a alegria do grupo por sermos eleitos um exemplo positivo no cuidado com os nossos resíduos alimentares! Foi lindo de se ver o sorriso da galera toda ecologicamente culinária, feliz da vida viva e de bem com o Planeta!

Deixo minha gratidão a todos que nos visitaram, a produção do evento e aos meus irmãos Terrapianos pela oportunidade desse convívio vivo mágico!

Convido você para fazer uma breve viagem ao Nova Terra Festival através das lentes da querida Ursula, do misturaviva.com. Confira as fotos que ela compartilhou generosamente no http://www.flickr.com/photos/misturaviva/sets/72157623848476483/show/

Espero que estejamos todos juntos novamente na próxima edição do evento em 2011!

Que todos os seres sejam felizes!

Meu carinho sempre,
Ju Malhardes

Vivo no Nova Terra Festival


Olá galerinha germinada!

Nesse fim de semana acontece o Nova Terra Festival, em Vargem Pequena, no Rio de Janeiro. O evento está prometendo ser um encontro de idéias vivas! E é pra lá que eu vou! rs... Estarei lá, junto com o Terrapia, no Centro Gastronômico preparando comidinhas vivas deliciosas! Venha nos encontrar!

Entre muitas atividades (veja o anexo), vai rolar:

  • Apresentação da Alimentação Viva
  • Venda de delícias vivas! :O)

No cardápio germinado:

  • Suco de Clorofila com Sementes Germinadas
  • Sucos Vivos variados
  • Sanduíche com Pão dos Essênios
  • Torta Viva

Paz para todos nós!

Até lá!

Gratidão e Carinho,

Ju Malhardes

Sopinha de Girassol Descascado Germinado na caneca!

Super Super Fácil de fazer !
Ideial para quando o tempo é curto!
Acabei de fazer e beber!
Espero que você goste também!

Ingredientes:
3 colheres de sopa cheias de girassol descascado germinado na água por 6 horas.
1 colher de sopa cheia de missô claro
1 fio longo de azeite
2 canecas de água bem morninha
1 pitada de chimichurri
Gostas de limão
1 pedaço pequeno de cebola fresca (uma colher de sopa)

Preparo:
Liquidifico todos os ingredientes menos o chimichurri. Sirvo numa caneca e acrescento o tempero só pra decorar. Pronto! Simples assim!

Glossário:
Bem morninha é o mais quentinho que sua mão suporta! Ok?

Bon Apetit!

Carinho,
Jú!

culinariaviva@gmail.com
É praticante da Alimentação Viva. Iniciou essa caminhada em 2004. Dedica-se a orientação de pessoas interessadas em mudança de hábitos de vida, especialmente os alimentares. O que realiza através de consultas, oficinas, workshops e cursos.

Educadora em Alimentação Viva formada pelo Terrapia/ENSP/FIOCRUZ. Um centro de referência em Alimentação Viva, onde conheceu o estilo de vida ecológico do alimento vivo, técnicas para sua prática cotidiana, a Culinária Viva, além da metodologia educativa.

Concluiu sua monografia de Especialização - MBA, em Gestão Ambiental/FGV, com um estudo da metodologia Terrapia – Alimentação Viva na Promoção da Saúde e Ambiente.

Atuou como Diretora do Departamento de Recursos Naturais da Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Niterói. Dedicou-se ao movimento ecológico através dos Verdes – Movimento de Ecologia Social como voluntária.

Formada em Direito, atuou em escritórios de advocacia durante os anos da faculdade. Depois de formada dedicou-se ao aperfeiçoamento em Direito Ambiental.